Publicações


Número 76

Número 76

Publicado em 30 de abril de 1992
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 75

Número 75

Publicado em 29 de fevereiro de 1992
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 74

Número 74

Publicado em 30 de novembro de 1991
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 73

Número 73

Publicado em 30 de setembro de 1991
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 72

Número 72

Publicado em 31 de agosto de 1991
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 71

Número 71

Publicado em 30 de junho de 1991
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 70

Número 70

Publicado em 30 de abril de 1991
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 69

Número 69

Publicado em 28 de fevereiro de 1991
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 68

Número 68

Publicado em 30 de novembro de 1990
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 67

Número 67

Publicado em 31 de agosto de 1990
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 66

Número 66

Publicado em 30 de junho de 1990
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 64

Número 64

Publicado em 28 de fevereiro de 1990
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 65

Número 65

Publicado em 30 de abril de 1990
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 63

Número 63

Publicado em 31 de dezembro de 1989
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 62

Número 62

Publicado em 31 de outubro de 1989
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 61

Número 61

Publicado em 31 de agosto de 1989
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 60

Número 60

Publicado em 30 de junho de 1989
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 59

Número 59

Publicado em 30 de abril de 1989
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 58

Número 58

Publicado em 28 de fevereiro de 1989
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 57

Número 57

Publicado em 31 de dezembro de 1988
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 56

Número 56

Publicado em 31 de outubro de 1988
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 55

Número 55

Publicado em 31 de agosto de 1988
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 54

Número 54

Publicado em 30 de junho de 1988
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 53

Número 53

Publicado em 30 de abril de 1988
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 52

Número 52

Publicado em 29 de fevereiro de 1988
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 51

Número 51

Publicado em 31 de janeiro de 1988
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número  50

Número 50

Publicado em 31 de outubro de 1987
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número  49

Número 49

Publicado em 31 de maio de 1987
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número  48

Número 48

Publicado em 31 de março de 1987
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número  47

Número 47

Publicado em 31 de dezembro de 1986
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número  46

Número 46

Publicado em 31 de outubro de 1986
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número  45

Número 45

Publicado em 31 de julho de 1986
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 44

Número 44

Publicado em 30 de junho de 1986
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 43

Número 43

Publicado em 31 de maio de 1986
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 42

Número 42

Publicado em 31 de março de 1986
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF


Número 41

Número 41

Publicado em 28 de fevereiro de 1986
Categoria: Jornal PSI


Detalhes Versão PDF



Pendrive CRP SP

Pendrive CRP SP

Publicado em 17 de junho de 2019
Categoria: Diversos
Conteúdos para a atuação da(o) psicóloga(o) no âmbito do Sistema Prisional O Conselho Regional de Psicologia – 6ª Região (CRP SP) constitui-se numa Autarquia Federal, instituída por Lei para acompanhar o exercício profissional do(a) psicólogo(a). No entanto, tem se destacado também, e sido reconhecido, por sua atuação e por suas contribuições na garantia da defesa dos Direitos Humanos e Políticas Públicas. A Psicologia, enquanto ciência e profissão, quer afirmar outras possibilidades de intervenção no campo penal, que possam trazer contribuições mais efetivas no processo de retomada da vida em liberdade, principalmente no que diz respeito à redução do sofrimento emocional advindo das péssimas condições de encarceramento, na garantia do acesso da população carcerária às políticas públicas, na assistência aos apenados, egressos e seus familiares, na retomada de laços sociais e na construção de redes extramuros que lhes deem apoio, suporte e acompanhamento psicossocial. O Código de Ética Profissional da(o) Psicóloga(o) estabelece que a atuação da(o) psicóloga(o) visa promover a saúde e a qualidade de vida das pessoas e das coletividades e contribuir para a eliminação de quaisquer formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. Deve atuar com responsabilidade social, analisando crítica e historicamente a realidade política, econômica, social e cultural, zelando para que o exercício profissional seja efetuado com dignidade, rejeitando situações em que a Psicologia esteja sendo aviltada. Neste pendrive você encontrará materiais fundamentais para a atuação da(o) psicóloga(o) no âmbito do Sistema Prisional. Conselho Regional de Psicologia de São Paulo

Detalhes Versão PDF


RESOLUÇÃO CFP N.º 007/2003 - Institui o Manual de Elaboração de Documentos Escritos produzidos pelo psicólogo, decorrentes de avaliação psicológica e revoga a Resolução CFP º 17/2002.

RESOLUÇÃO CFP N.º 007/2003 - Institui o Manual de Elaboração de Documentos Escritos produzidos pelo psicólogo, decorrentes de avaliação psicológica e revoga a Resolução CFP º 17/2002.

Publicado em 17 de junho de 2019
Categoria: Diversos
O Conselho Regional de Psicologia – 6ª Região (CRP SP) constitui-se numa Autarquia Federal, instituída por Lei para acompanhar o exercício profissional do(a) psicólogo(a). No entanto, tem se destacado também, e sido reconhecido, por sua atuação e por suas contribuições na garantia da defesa dos Direitos Humanos e Políticas Públicas. A Psicologia, enquanto ciência e profissão, quer afirmar outras possibilidades de intervenção no campo penal, que possam trazer contribuições mais efetivas no processo de retomada da vida em liberdade, principalmente no que diz respeito à redução do sofrimento emocional advindo das péssimas condições de encarceramento, na garantia do acesso da população carcerária às políticas públicas, na assistência aos apenados, egressos e seus familiares, na retomada de laços sociais e na construção de redes extramuros que lhes deem apoio, suporte e acompanhamento psicossocial. O Código de Ética Profissional da(o) Psicóloga(o) estabelece que a atuação da(o) psicóloga(o) visa promover a saúde e a qualidade de vida das pessoas e das coletividades e contribuir para a eliminação de quaisquer formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. Deve atuar com responsabilidade social, analisando crítica e historicamente a realidade política, econômica, social e cultural, zelando para que o exercício profissional seja efetuado com dignidade, rejeitando situações em que a Psicologia esteja sendo aviltada. Neste pendrive você encontrará materiais fundamentais para a atuação da(o) psicóloga(o) no âmbito do Sistema Prisional. Conselho Regional de Psicologia de São Paulo

Detalhes


 NOTA TÉCNICA SOBRE A SUSPENSÃO DA RESOLUÇÃO CFP 012/2011 Atuação da(o) psicóloga(o) no âmbito do sistema prisional

NOTA TÉCNICA SOBRE A SUSPENSÃO DA RESOLUÇÃO CFP 012/2011 Atuação da(o) psicóloga(o) no âmbito do sistema prisional

Publicado em 17 de junho de 2019
Categoria: Diversos
O Conselho Regional de Psicologia – 6ª Região (CRP SP) constitui-se numa Autarquia Federal, instituída por Lei para acompanhar o exercício profissional do(a) psicólogo(a). No entanto, tem se destacado também, e sido reconhecido, por sua atuação e por suas contribuições na garantia da defesa dos Direitos Humanos e Políticas Públicas. A Psicologia, enquanto ciência e profissão, quer afirmar outras possibilidades de intervenção no campo penal, que possam trazer contribuições mais efetivas no processo de retomada da vida em liberdade, principalmente no que diz respeito à redução do sofrimento emocional advindo das péssimas condições de encarceramento, na garantia do acesso da população carcerária às políticas públicas, na assistência aos apenados, egressos e seus familiares, na retomada de laços sociais e na construção de redes extramuros que lhes deem apoio, suporte e acompanhamento psicossocial. O Código de Ética Profissional da(o) Psicóloga(o) estabelece que a atuação da(o) psicóloga(o) visa promover a saúde e a qualidade de vida das pessoas e das coletividades e contribuir para a eliminação de quaisquer formas de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. Deve atuar com responsabilidade social, analisando crítica e historicamente a realidade política, econômica, social e cultural, zelando para que o exercício profissional seja efetuado com dignidade, rejeitando situações em que a Psicologia esteja sendo aviltada. Neste pendrive você encontrará materiais fundamentais para a atuação da(o) psicóloga(o) no âmbito do Sistema Prisional. Conselho Regional de Psicologia de São Paulo

Detalhes Versão PDF